Economia Bárbara

Seu Bolso

Dólar tem tendência de queda no curto prazo: veja 5 motivos

Várias razões justificam uma baixa da moeda americana ante o real, segundo José Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos; entenda

Bárbara Leite

Publicado

em

Moeda dos EUA segue negociado no intervalo entre R$ 4,05 e R$ 4,09-Foto: Pixabay

O dólar comercial ante o real negocia em alta nesta quinta-feira (9), mas a tendência no curto e médio prazo é de baixa. No longo, porém, ainda é de valorização. A avaliação é de José Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos.

Segundo Faria Júnior, o dólar segue negociado no intervalo de R$ 4,05 a R$ 4,09. Nesta quinta (9), pelas 12h50, a divisa americana operava nos R$ 4,077, com alta de 0,62%, após dados decepcionantes da indústria brasileira em novembro, que questionam o desempenho da economia em 2019, apesar do otimismo do exterior.

Em 2019, a moeda apesar de ter batido recorde perto dos R$ 4,27, fechou na casa dos R$ 4, com uma alta anual de apenas 3,5%.

A tendência de baixa do dólar e alta do real é justificada por vários motivos. Veja abaixo quais.

Confira motivos que justificam a tendência de baixa do dólar e valorização do real:

1. Estrangeiro menos comprado

Entre as razões está o fato do investidor estrangeiro estar “menos comprado” no mercado futuro de dólar na B3, Bolsa de Valores brasileira. Na posição comprada, o investidor ganha com a alta da moeda americana. Ou seja, para o estrangeiro que “está comprado” é positivo que o dólar esteja elevado. Com menos estrangeiros se beneficiando da alta da divisa, pode haver menos pressão sobre a divisa, o que pode levar a um alívio na divisa.

“A posição comprada dos estrangeiros na B3 continua abaixo de US$30 bilhões desde 13 de dezembro, mas está estacionada em torno de US$ 28 bilhões”, diz o diretor da Wagner Investimentos, em relatório.

2. Dollar Index mostra sinais de fraqueza

O Dollar Index (DXY, dólar contra uma cesta de 6 moedas fortes – euro (Europa), yuan (China), libra esterlina (Reino Unido), franco suíço (Suíça), coroa sueca (Suécia) e dólar canadense (Canadá)) ainda está ainda em tendência de alta de longo prazo, mas está mostrando sinais de fraqueza e pode fazer a reversão.

3. Moeda do Canadá segue em alta

Uma das três moedas clássicas de países muito dependentes das exportações de commodities (matérias-primas), como o Brasil, o dólar canadense entrou em tendência de alta de longo prazo. Isso pode sinalizar que o real também pode subir ante o dólar. As duas outras moedas clássicas são as divisas da Austrália e Nova Zelândia.

4. Índice de ‘commodities’ sobe

Outro motivo é o fato do índice de “commodities’ ter revertido a tendência de baixa e agora subir no longo prazo. “Destaque para as altas de commodities agrícolas que são de nossa pauta de exportação: açúcar, café, soja e algodão. E também é importante notar que o cobre está em processo de reversão de tendência de longo prazo. Assim, a alta das commodities não se deve exclusivamente ao aumento do preço do petróleo”, diz Faria Júnior.

Com maior venda de produtos agrícolas ao exterior, entram mais dólares no país, o que tende a baratear a moeda americana e a valorizar o real.

5. Moeda chinesa com tendência de valorização

Segundo o diretor, o yuan, a moeda da China, está na linha de reversão de longo prazo. Se conseguir fazer a reversão, será importante gatilho para a melhora das moedas de emergentes, como o real do Brasil.

Publicidade
Subscreva nossa Newsletter!
Cadastre seu e-mail para receber nossa Newsletter com dicas semanais.
Invalid email address

Mais Lidas